Setembro Amarelo

We all live in a Yellow Submarine. Você não está sozinho a bordo. Setembro Amarelo: mês de prevenção ao suicídio

*Todo conteúdo publicado nesta página foi produzido em parceria com a psicóloga Isabel Veiga

Vamos falar de solideriedade? 10 de Setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Por isso, desde 2015, a campanha de prevenção ao suicídio Setembro Amarelo acontece nesse mês no Brasil. A intenção é promover o debate e a conscientização sobre o tema. Vem embarcar no Yellow Submarine, porque ninguém tá sozinho nessa!

O assunto é importante, delicado e, por isso, é preciso se informar com responsabilidade. O Sub conversou com a psicóloga Isabel Veiga. Primeira dúvida: como identificar alguém que precisa de ajuda? "A conversa é uma ferramenta muito boa para reconhecer se a pessoa precisa de ajuda. Exercer a empatia e ouvir com atenção o que a pessoa tem a dizer pode ajudar na identificação de possíveis sintomas", explica Isabel.

Ajudar o próximo é importante

Outra questão delicada e importante é saber como oferecer ajuda. Isabel diz que quem está com depressão precisa entender que "não escolheu estar nesse quadro". As principais dicas dela são ouvir o próximo sem julgamentos e expor que depressão é tratável.

Você não está sozinho

O Centro de Valorização da Vida (CVV) é uma ONG especializada no tema. Qualquer um pode receber um apoio emocional gratuito, sob sigilo e o atendimento é 24 horas. É só ligar pro número 188!

As redes sociais como aliadas
Se pesquisar por #ansiedade ou #depressão no Instagram, uma mensagem de apoio aparece e, antes de seguir com a busca, você pode clicar em "Obter suporte" e ser levado pra uma página especializada.
Terapia é importante
"Ir a um psicólogo ou psiquiatra não é sinal de fraqueza”. A frase da psicóloga Isabel tá certíssima! E não precisa apresentar nenhum sintoma depressivo pra começar uma terapia.

Solidão em tempos de isolamento: como lidar?

A pandemia do cornavírus mudou a realidade de muitos. Sair com amigos e familiares podia ser um momento de lazer constante na vida das pessoas, mas o período em quarentena criou ou reforçou a sensação de solidão em muitas pessoas. Como lidar com essa situação?
Não se cobre por fazer coisas novas

Conhece alguém que fez vários cursos durante o isolamento? Outra pessoa que desenvolveu um hobby novo? Alguém que esteja malhando em casa todos os dias? Legal pra todos os eles, mas ninguém é parâmetro pra você. Comparar você com outras pessoas, de acordo com Isabel Veiga, pode aumentar seus níveis de ansiedade: "Cada indivíduo tem sua subjetividade, seu tempo e sua forma de ser".

Deu vontade? Pratique exercícios físicos!
Se você tá com disposição, Isabel recomenda a prática de exercícios físicos é uma boa forma de tentar se sentir melhor e existe uma explicação científica pra isso: "É uma forma de liberar hormônios importantes como a endorfina, o "hormônio da alegria" e a dopamina, que libera um efeito tranquilizante".
Autoconhecimento: é a hora de recuperar a sua essência.
Quais são seus gostos e seus hobbies? O que faz você se sentir bem? A psicóloga Isabel vê o isolamento social como uma boa oportunidade pra praticar o autoconhecimento.
Já conhece as atividades de relaxamento?

Tá se sentindo sozinho? Se liga nas dicas que a Isabel tem pra você: escute suas músicas favoritas, assista a um bom filme, cozinhe, leia, medite. Vai que assim você descobre um hobby novo?

Reforce laços com amigos e familiares
Tá dividindo o mesmo espaço com alguém durante o isolamento? É uma boa oportunidade pra reiventar e reorganizar a rotina. Reforçar laços com familiares e amigos queridos por você é uma forma de ajudar no seu bem-estar emocional, segundo Isabel.
Redes sociais: conexão com quem te faz bem
Você não precisa passar horas e horas nas redes sociais, mas pode gastar um tempinho pra se conectar com aquelas pessoas que fazem bem pra você.

Recomendações de artigos, livros e filmes

Informação nunca é demais. Por isso, o Submarino separou três artigos muito interessantes no blog CVV: "Escutar sentimentos, uma nova forma de ouvir", "Alteridade: reconhecendo o outro" e "Você já se sentiu acolhido?". Os textos, de maneira geral, falam sobre empatia, em tempos cada vez mais difíceis. Vai que te ajuda ou você descobre como ajudar um amigo? Vale a leitura!

Alguns livros também podem te ajudar a se informar melhor sobre o tema. O poder do agora (Eckhart Tolle), A coragem de ser imperfeito (Brené Brown), Por Que Fazemos O Que Fazemos? (Mario Sergio Cortella), O Jeito Harvard de Ser Feliz (Shawn Achor) e Comunicação Não-Violenta (Marshall Rosenberg) são boas opções pra quem se interessar.

No cinema, Isabel recomenda "As Vantagens de Ser Invisível" (2012), que conta a história de um adolescente com talento pra escrita e, pra ela, "retrata a importância de uma pessoa se sentir amparada nos momentos de tristeza". Quer sugestões que passaram pelo Oscar? O Sub separou dois filmes bem diferentes, mas importantes no autoconhecimento e no aprendizado de como lidar com frustrações. Você já assistiu a algum deles? Se liga nas dicas:

Divertida Mente
Divertida Mente (2015) é uma animação que fala sobre a mente humana e é boa opção pra todas as idades. Imagina ver sentimentos humanos como alegria e tristeza representados em personagens?
Filme "Ela" (2015)
Ela (2013) conta a história de um homem depressivo e solitário que se apaixona por Samantha. O problema é que ela é apenas um sistema operacional. Se não viu, corre pra assistir!

O primeiro passo

Pra Isabel, um bom primeiro passo pra quem precisa de ajuda é procurar um psicólogo: "O profissional irá ajudar o paciente na redução dos sintomas, identificando as emoções, limitações e conflitos". O apoio familiar também é muito importante. Ela também alerta: "É possível estar sorrindo no dia a dia, mas, ao mesmo tempo, estar passando por conflitos internos". Percebeu como sua ajuda pode ser fundamental pra alguém? Então, pra todos que estão a bordo nesse Yellow Submarine, fica o desafio: vamos espalhar solidariedade por aí?
Yellow Submarine:  And our friends are all aboard/ Many more of them live next door/ And the band begins to play/ We all live in a yellow submarine.  Tradução:  E nossos amigos estão todos a bordo/ Muitos deles são nossos vizinhos/ E a banda começa a tocar/ Todos nós vivemos em um submarino amarelo