Livro - O Presidente Negro

Monteiro Lobato
Leia a sinopse

Escolha uma loja abaixo e compre

Preço sugerido pela Editora: R$ 44,90

R$ 42,65

em 1x no cartão

Oferta Recomendada
R$ 42,65 em 1x no cartão de crédito (5% de desconto) com Ame e receba R$ 0,86 (2% de volta)
R$ 42,65 em 1x no cartão Submarino (5% de desconto) com Ame e receba R$ 0,86 (2% de volta)
Formas de parcelamento

Este produto é vendido por uma loja parceira.O Submarino garante sua compra, do pedido à entrega.

1.0
Avaliações do produtoEste produto possui 1 avaliações com nota média 1
Avaliações do produtoEste produto possui 1 avaliações com nota média 1
(1)
Mostrar opçõesPressione para revelar as opções existentes

  • Livro mostra o lado racista de Monteiro Lobato

    Avaliações do produtoEste produto possui 1 avaliações com nota média 1
    Avaliações do produtoEste produto possui 1 avaliações com nota média 1
    02/06/2013
    O livro de Lobato sintetiza um pensamento racista dominante na época, mas muitas vezes escondido em malabarismos retóricos. Acho extremamente medíocre quando afirmam que Monteiro estava sendo satírico ao escrever o livro. Não há como negar que ele sofreu fortíssima influência do psicólogo francês Gustave Le Bon, grande defensor da superioridade racial e eugenia, e deixou-se convencer pelas ideias. Não esqueça, também, que primeiramente ele afirnou ser o problema de Jeca Tatu, outro dos seus personagens mais conhecidos, uma questão racial e só posteriormente, ao perceber que tinha se comprometido demais com as ideias absurdas defendidas no livro, voltou atras e disse que era um problema de saúde. Sem contar o machismo explícito contra a mulher, um ser dito inferior e submisso. Argumentar que o preconceito é “aceitável” devido a época em que se vive é ridículo também e muito li sobre isso em resenhas sobre o livro. Grandes gênios, ou melhor, os gênios do passado só foram gigantes pelas suas visões acima da média e do senso comum. Exemplos claríssimos: Jane Austen em relação a mulher e Manuel Bandeira, esse sim satírico em seu livro Macunaíma, que também criticou o eugenismo de Lobato. Monteiro pode ter acertado um bocado de coisas em relação ao futuro tecnologico, mas em hipótese alguma eu o consideraria um bom livro de ficção. É grotesco, e espero que a geração futura não o tenha que ler, como eu tive…
    Tom Lucas